Queijo especial brasileiro segue vencendo na França

35 produtores da SerTãoBras ganharam 57 medalhas no Mondial du Fromage de Tours 2021, na França. Lista dos premiados (PDF)

Por Heloísa Collins – do GT de Comunicação da SerTãoBras

Era por volta de nove da manhã quando as portas do grande salão do concurso do Mundial de Tours 2021 se abriram para os jurados. Como profissionais do mundo queijeiros de muitos países diferentes, estávamos todos ansiosos para o início dos trabalhos. Éramos três ou quatro jurados por mesa de 25 queijos, geralmente organizados em torno de 2 ou 3 categorias. Uma beleza ver toda aquela variedade de formatos e cores e poder sentir a diversidade de aromas, sabores e texturas!

Ao meio dia o trabalho estava terminado. Haviam sido degustados e avaliados 900 queijos de 46 países. Seriam premiados 331 queijos, após um processo muito rigoroso. Entre eles estavam 57 queijos brasileiros, quase 20% de toda a premiação.

De fato, o Brasil fez muito bonito no concurso. Levou cinco medalhas super ouro, as mais cobiçadas e mais raras, 11 medalhas de ouro, 24 de prata e 17 de bronze. Participaram 183 queijos de Minas Gerais, São Paulo, Pará, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná, todos registrados e portadores de diferentes selos de inspeção. Havia selos SIF, ARTE, IMA, SISP e outros estaduais, além de selos municipais.

Minas, como é tradição, liderou com 40 medalhas. Estiveram presentes, de Tapira-MG as produtoras Leandra Goulart, seu esposo Paulo, Maria Geralda e sua filha Thaís. Da Canastra, Holorico e Larissa Costa, Johne e Adriene de Castro, de Vargem Bonita; e Rogério e Larissa Ferreira de Piumhi. Do Serro, o Nonato de Santa Rita e o Ivacy Pires.

De Alagoa veio o Osvaldinho, que já participa pela terceira vez! De Ponte Nova, Tales Pereira, conselheiro jurídico da SerTãoBras.

Produtores da canastra com os organizadores do concurso: Holorico Costa, Michel Lefevre, Roland Barthélemy, João Felipe e Johne de Castro.

De São Paulo, que levou 15 medalhas, o poder feminino dominou: 5 queijeiras e 1 queijeiro. Carolina Vilhena da Bela Fazenda, Maristela Nicollelis da Queijo com Arte, Vanessa Alcólea da Pardinho Artesanal e eu. Estamos felizes que São Paulo vem se destacando no cenário do queijo artesanal na última década, fruto da inovação e criatividade de queijeiras paulistas, livres das amarras orientadoras dos queijos tradicionais.

A pandemia quase impediu a presença dos queijeiros no concurso, mas no final a maioria achou seu caminho até Tour, uns mais diretos e outros menos. No salão, encontramos a euforia e entusiasmo da cadeia do queijo internacional que tinha feito seu último encontro presencial em fevereiro de 2020. A alegria de todos e o empenho para realizar um maravilhoso salão internacional do queijo eram visíveis: conferências, palestras, concurso de melhor aprendiz do queijo (para menores de 18 anos), concurso de melhor queijeiro do mundo com 9 candidatos de 7 países… e mais 160 stands profissionais para realização de negócios (não são vendidos queijos no salão).

Como chegamos lá? Colocando em prática nossa filosofia: cada um sua parte faz. No stand, além dos produtores associados a SerTãoBras, participaram membros do Club Brasil da Guilde Internationale des Fromagers: Laticínios Cruzília e Lindomar Santana dos Santos, produtor de queijo do Serro.

No stand, contamos com a assessoria preciosa da microbiologista francobrasileira Livia Pinheiro, que apresentou e traduziu todos os queijos e de outroa brasileiros apaixonados pelo queijo. Foi grande a visitação, que sucesso, todos queriam provar nossos queijos!

Larissa e Rogério, da Canastra.

A festa da premiação, promovida pela Guilde , organizadora do concurso, foi muito bonita e elegante. Liderada por Roland Barthelemy a cerimônia tradicional acolheu 8 brasileiros na grande família internacional do queijo, ao lado de membros de outros países. A presidente do Club Brasil, Maristela Nicolellis, foi promovida a Mestre Queijeira. Tudo com boa música e um jantar de iguarias francesas, do fois gras e ostras frescas à pâtisserie tradicional.

Em parceria com a Guilde está confirmado o segundo Mundial de Queijos do Brasil, no Inhotim, Minas Gerais, de 15 a 18 de setembro de 2022. E viva a revolução queijeira brasileira!