Fazenda Matinha do Ouro – Queijo Canastra do Nêgo e da Rosa

Rosa e Nêgo são produtores de queijo canastra na microrregião Matinha de Ouro. “Eu cresci vendo meu pai fazer queijo na fazenda e, quando comprei essa terra na Matinha do Ouro, há 23 anos, também comecei a fazer. Eu e minha mulher, Rosa” conta Nêgo.

Queijaria do Nêgo, no pé das cachoeiras. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

Rosa aprendeu o ofício de fazer queijo quando se casou. Não tinha tradição de queijeira na família. Hoje, não troca esse ofício por nada. Antigamente não fazia o queijo no pano, pois não tinha o pano. “A gente apertava na mão para tirar o soro, mas sempre fizemos com pingo” conta ela.

Queijos meia cura e fresco, e pão de queijo, os preferidos dos turistas. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

Pingo é o fermento natural único da serra da Canastra, que os produtores colocam no leite para acidificar e não ter defeito no queijo. “No começo, eu fazia só uns cinco queijos. Para comer em casa. O resto eu vendia para o atravessador, como ainda faço, mas as vendas diretas para os turistas têm ajudado a valorizar o queijo e melhorar a vida” conta ela.

Cachoeira do Nêgo. FOTO: @canatra4 you /Acervo Pessoal

O casal fabrica de 25 a 30 peças por dia. Metade é entregue ao queijeiro, que passa semanalmente nas fazendas coletando queijos para comercializar nas cidades.

Nêgo na janela da sua queijaria, certificada pelo Sistema de Inspeção Municipal de São Roque de Minas. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

A fazenda tem 300 hectares e três cachoeiras. No caminho a pé até as águas, as seriemas brincam no meio das vacas fazendo zoeira. Os tamanduás chegam no final da tarde, fuçando os cupinzeiros em busca de sustento.

“Antigamente diziam que este lugar só servia para criar lobo, muito isolado. Ainda tem lobo. Mas hoje recebemos turistas de vários lugares do Brasil, principalmente por causa das cachoeiras”, conta Nêgo. O turista chega, vai até as cachoeiras. Na volta, tem café e pão de queijo sem igual no mundo, com queijo farto servido na mesa.

Rosa enrola os pães de queijo na frente dos clientes. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

Pão de queijo do tamanho de uma maçã, com polvilho feito com a mandioca do quintal. Você morde, é aerado, saboroso. E não massudo como os pães de queijo de aeroporto.

Os pães de queijo recém-saídos do forno. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

Com a divulgação feita no boca a boca dos turistas, a cachoeira do Nêgo e seus queijos foram ficando mais conhecidos. “Nós aumentamos a produção e o valor do queijo subiu. Não tinha valor, tem tanta regra, quase proibiram a gente de fazer. O queijo naquela época, quando começamos, não valia nada. Hoje ainda não vale grande coisa. Mas vendendo para o turista a gente acaba ganhando mais”, acredita Nêgo.

Rosa enrola pães de queijo para os turistas surpresos por encontrarem a delícia. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

Nêgo sempre deixa a água mineral da fazenda correndo dentro da salinha de queijo. “O mofo branco aparece, mas não sei se é problema, então a gente limpa”, diz ele, que já ouviu dizer dos altos preços cobrados pelos produtores de mofo branco natural na Serra da Canastra, que até já ganharam prêmio internacional.

“Eu pretendo começar curar queijo agora, vamos ver… se tiver cliente” matuta Nêgo.

Água da fonte pinga dia e noite, dentro da queijaria, trazendo a umidade que traz maciez do queijo. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

As vacas rústicas de raça “tatu com cobra” têm regime só de pasto no verão. São ordenhadas com o bezerro ao pé. “Gasto mais de 5 horas para fazer a ordenha manual, eu quero colocar a mecânica, mas todos os vizinhos que estão colocando precisam colocar ocitocina, pois a vaca não quer soltar o leite sem o bezerro ao pé, então ainda estou pensando”, confessa Nêgo, desconfiado.

A fazenda tem muros de pedras da época dos bandeirantes. FOTO: Débora Pereira/SerTãoBras

ATENÇÃO: EM RAZÃO DAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO CONTRA O CORONAVÍRUS, A QUEIJARIA NÃO ESTÁ RECEBENDO TURISTAS, ENQUANTO DURAR O PERÍODO DE CONFINAMENTO.

Contato para vendas:
Nêgo: 37 99825 5165
Débora: 37 98802-1339

Leia Mais
Bienal do queijo atrai 270 mil apaixonados