Cisternas: resultado após a chuva

por Robin Geld

Em março de 2010, Zé Américo a trabalho da Sertãobras, visitou famílias que receberam as cisternas, várias das quais entrevistadas em setembro de 2009, para avaliação geral de uso e funcionamento. Uso pleno e satisfação geral foi o que constatou, havendo uma reclamação referente a cisterna que não foi totalmente instalada. Verificou algumas falhas nos critérios de seleção, sendo beneficiados alguns que já tinham poço, caixa de água, deixando de recebê-las outros sem tais recursos e assim mais necessitados. Constatou também necessidade de melhor divulgação quanto a necessidade e meios de tratamento da água captada.

Quanto a moradores das fazendas que têm poço artesiano, caixas de água, viu que todos continuam querendo cisternas para captação das águas da chuva; querem água doce. Mesmo os que se beneficiam da água trazida de Janaúba, consideram o benefício de poder aproveitar melhor as épocas de chuva altamente positivo. Sugere-se a  construção de algumas cisternas centrais com maior capacidade de armazenagem para servir a um maior número de moradores.

Confira abaixo as palavras de José Américo:

Referente às cisternas doadas pela SerTãoBras, visitei as residências do assentamento Mandassaia para saber notícias da utilização das cisternas e como o assentamento é muito grande não deu para ver todas. Fui a diversos pontos comparando aqueles menos favorecidos com os que vivem em situações melhores, que já tinham água dos poços do assentamento, caixa d´agua feita com recurso próprio e até assentado que já tinha poço artesiano no lote dele. Observei que todos estão satisfeitos com a água doce, esperava que os assentados com uma condição de vida melhor não iriam se importar muito, mas onde passei todos ligaram a tubulação PVC e as cisternas estão quase cheias. No geral acho que 95% das cisternas estão instaladas.
Com relação aos funcionários da Colonial, todos gostariam de ganhar uma cisterna. Caso for construir, sugerimos fazer 2 ou 3,  uma no setor Piauí, uma no Pernambuco e outra na Umburana (Sede da Fazenda) ou Paraíba. No caso aqui na sede o caminhão da fazenda vai toda semana para Janaúba e alguns funcionários já têm tambor de 50 litros para mandar trazer água doce e tratada de Janaúba, inclusive no almoxarifado temos 3 tambores de 200 litros para trazer a água para o consumo nas casas de visitas e para a sede compramos água mineral. Poderíamos pensar em aumentar os tambores para armazenar maior quantidade de água para os funcionários da vila Umburana, ficaria mais em conta comparando com o investimento das Cisternas, pois para colocar em todas as casas dos funcionários seriam cerca de 15 cisternas. Quanto a água do poço artesiano que abastece as casas da Umburana, fizemos uma estação de tratamento com cloro para melhorar a qualidade da água, porém para o consumo ela é muito calcária.

Leia Mais
Luiz Carlos de Oliveira é exonerado do DIPOA