Viva o Queijo brasileiro

Texto e fotos de Manuel Dantas Vilar Carnaúba, advogado da família de produtores de queijo da Fazenda Carnaúba, Paraíba,
em 19 de novembro de 2016.

Foram nas Caravelas que os rebanhos e as técnicas de produção de queijo desembarcaram e se expandiram por esse Brasil afora, partindo do Nordeste. Nesses mais de 500 anos de nação, a forma européia de fazer queijo (que recebeu e ainda recebe influência asiática e africana) foi sendo modificada, melhorada e adaptada para a geografia, pastos e rebanhos dos trópicos; resultando em queijos únicos, comprados, celebrados e identificados pela nossa população. Há queijos tão adaptados ao nosso clima que sua conservação dispensa refrigeração, a exemplo do cabacinha e do queijo de manteiga.

Fazenda Carnaúba, Taperoá, Paraíba, Brasil.

Nas décadas de 50-60, movido pelo pós-guerra e imposição de uma cultura urbana estrangeira, criou-se um sentimento meio que de vergonha da condição rural do Brasil, e tudo que fosse ligado ao campo tinha de se “modernizar” e se “adaptar aos novos tempos e descobertas”, como se nas fazendas só existisse atraso, sujeira e desconhecimento. Passaram, de uma hora para outra, técnicos e autoridades do governo, a querer ditar regras para os cidadãos do campo seguirem. O resultado disso foi uma exacerbação do conflito campo-cidade, que ainda hoje divide o Brasil e gera conflitos internos em nosso belo país.

A legislação que trata da produção de queijos é cria desse tempo. Preconceituosa, equivocada, “higienista” como bem diz Michelle Carvalho, microbiologista e participante da Slow Food, impunha um maquinário caríssimo e modificações na maneira de tratar com leite e derivados que relegou à ilegalidade praticamente todos os queijeiros, dando início a uma perseguição oficial sem-fim, abrindo espaço aqui para grandes laticínios e importação de produtos lácteos estrangeiros.

Fazenda Carnaúba, Taperoá, Paraíba, Brasil.

Fazenda Carnaúba, Taperoá, Paraíba, Brasil.

 

Ainda hoje os produtores não são ouvidos quando normas são pensadas e impostas, permanecendo – inconsciente ou não – a idéia de atraso e desorganização dos produtores rurais, mesmo que, contra esse pensamento tremule o aumento da produção de queijo artesanal, a evolução na qualidade e aprimoramento das técnicas e uma freguesia crescente e fiel. Nos países onde a importância da tradição queijeira é vista, subsidiada e interfere em todas as áreas da nação, desde a alimentação, economia, cultura, turismo e identidade nacional; a primeira classe a ser ouvida é a dos queijeiros. São eles quem opinam definitivamente para governo direcionar investimentos, estudos, políticas públicas (inclusive subsídios) e proteção de mercado.

Fazenda Carnaúba, Taperoá, Paraíba, Brasil.

Fazenda Carnaúba, Taperoá, Paraíba, Brasil.

 

Aqui no Brasil a coisa aparenta mudanças. A consciência de que é preciso proteger o queijo genuinamente brasileiro e que a grande massa de queijeiros anônimos e trabalhadores tem muito a ensinar aparenta estar se consolidando. Até o conceito de tecnologia está sendo revisitado. A teimosia de continuar fabricando queijos, aprimorar técnica por conta própria, driblar a fiscalização para vender seu produto (que se manteve graças à sua qualidade) foram fundamentais para que outras categorias, como os escritores, chefes de cozinha, comerciantes, consumidores e por fim, técnicos reconhecessem os olhos para a importância gastronômica, econômica e cultural que existe por trás disso tudo. Por conta dessa força de-baixo-pra-cima, autoridades pretendem normatizar e regulamentar a atividade.

Exemplo disso é o projeto de lei n.o 2404/2015 que tramita na Câmara dos Deputados, de autoria dos Deputados Zé Silva de Minas Gerais e Alceu Moreira do Rio Grande do Sul que dispõe sobre a elaboração e comercialização dos queijos artesanais; já em vias de ser votado. O projeto tem excelente intenção, mas falta ser ouvida a principal classe: a dos produtores de queijo de todas as regiões do país. Sem isso, poderemos estar cometendo o mesmo equívoco de décadas passadas e continuar com a mesma clandestinidade ou até pior: ter uma lei que privilegia parte de uma região do Brasil e prejudica as demais. Esse projeto de lei recebeu o apoio de algumas regiões produtoras, desde que mais à frente, elas fossem ouvidas, o que acabou não acontecendo.

Se queremos copiar alguma coisa de fora, que não seja os nomes dos queijos, nem os coalhos, nem as embalagens, nem as cavernas; seja a capacidade ouvir quem mais entende de queijo – os queijeiros de todas as regiões. São eles os primeiros a serem afetados pela legislação desse “Brasil oficial” que ainda insiste em distanciar do “Brasil Real”.

Fazenda Carnaúba, Taperoá, Paraíba, Brasil.

Fazenda Carnaúba, Taperoá, Paraíba, Brasil.

Artigos relacionados

Queijo d’Alagoa ganha loja física em sua cidade natal: do virtual para o real

Queijo d'Alagoa ganha loja física em sua cidade natal: do virtual para o real

A inauguração está prevista para o dia 1º de Abril e contará com uma degustação dos queijos artesanais Alagoa em diferentes estágios de maturação. Eles serão harmonizados com vinhos brasileiros, licores, meles alagoenses e azeite extra virgem produzido na própria zona rural da cidade...

Fazenda Roça da Cidade

Fazenda Roça da Cidade

João Carlos Leite é a quarta geração da família na produção de queijos. Sua fazenda se situa na estrada para o Parque Nacional da Serra da Canastra, a 2 km do centro de São Roque de Minas.

Sindicato dos Produtores de Serro

Sindicato dos Produtores de Serro

O Queijo do Serro é fabricado em 11 municípios da região da Serra do Espinhaço em Minas Gerais: Serro, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim, Alvorada de Minas, Sabinópolis, Materlândia, Paulistas, Rio Vermelho, Coluna, Serra Azul de Minas e Santo Antônio do Itambé. São aproximadamente 760...

1 Comment

  1. José Fernando M. Cavalcante 2 de Janeiro de 2017

    Parabéns pela excelente matéria do Dr.Manuel Dantas Vilar Carnaúba. Ele faz um breve relato como surgiu essa coisa de Queijo no Brasil, em especial no Nordeste; como criou-se um sentimento meio que de vergonha da condição rural do Brasil; relata o imbróglio da Legislação Brasileira que “é Preconceituosa, equivocada, higienista”. No Brasil, a coisa aparenta mudanças…. A consciência de que é preciso proteger o queijo genuinamente brasileiro (Ex. Queijo Coalho Artesanal) e que a grande massa de queijeiros anônimos e trabalhadores tem muito a ensinar aparenta estar se consolidando, graças à Deus!
    Em resumo, os queijos artesanais do Brasil representam um patrimônio cultural, gastronômico e econômico imensurável.

Deixe um comentário