Colaborador da SerTãoBras faz estágio em fazenda de queijo na Irlanda

Por Leonardo Dupin

Leonardo Dupin na fazenda Beal, Irlanda.

Descobri a fazenda Beal através de um programa chamado WWOOF (World Wide Opportunities on Organic Farms / Amplo mundo de oportunidades em fazendas orgânicas). Nele, candidatos se inscrevem para trabalhar em fazendas de produção orgânica cadastradas. Em troca, recebem hospedagem e alimentação. A Beal é uma fazenda produtora de leite e queijos orgânicos, não pasteurizados. Como tenho interesse pelo tema e estava vivendo em Dublin, capital da Irlanda, resolvi aceitar o desafio.

Passei 21 dias morando na fazenda, que fica no condado de Kerry, sudoeste do país. Para chegar lá, partindo de Dublin, enfrentei cinco horas e meia de viagem, divididas em dois ônibus (Dublin-Limerick e Limeric-Listwoel) e ainda precisei de uma carona, uma vez que não há transporte público até o local. Não é pouco para um país de dimensões limitadas, como é a Irlanda.

Vista noturna da sede da fazenda. Foto de Leonardo Dupin.

Vista noturna da sede da fazenda. Foto de Leonardo Dupin.

Antes disso, fiz contato por e-mail com a dona da fazenda, Kate Carmony, e acertei os detalhes do trabalho. Ela disse que eu poderia ficar o quanto precisa-se e que esperava que eu pudesse fazer pequenos serviços. Na Fazenda, além de Carmony, moram suas filhas Brigitte (24 anos) e Molly (14 anos). E também oito cães, dez gatos e mais os animas de manejo. A sede é uma casa espaçosa e confortável, que fica na parte alta do terreno.

Como Carmony havia passado recentemente por uma cirurgia no pescoço, foi Brigitte quem coordenou minhas tarefas. Minha função era basicamente alimentar as aves (galinhas, galinhas d’angolas, patos e gansos), porcos e vacas, além de limpar o galinheiro, quatro chiqueiros e um curral. E ainda, ajudar na ordenha da tarde e, às vezes, na da manhã.

Tratar dos porcos foi uma das obrigações do trabalho na fazenda. Foto de Leonardo Dupin.

Tratar dos porcos foi uma das obrigações do trabalho na fazenda. Foto de Leonardo Dupin.

Quando cheguei à fazenda, no final de setembro, a época de produção de queijos já havia terminado. Esta acontece no verão, entre abril e agosto. Porém, Kate abriu uma exceção e, por minha causa, fabricamos o queijo Beal, um cheddar de leite cru que é muito bem aceito pelos irlandês. Acompanhei atentamente o processo e o cotidiano da fazenda, sempre fazendo anotações.

Uma das etapas de fabricação do queijo Beal

Uma das etapas de fabricação do queijo Beal. Foto de Leonardo Dupin

A impressão que ficou desses dias está na matéria: Beal, o queijo que conquistou os irlandeses pela boca

Aqui estão as fotos da fazenda:

Related posts

“A gente não vive sem queijo em Minas Gerais”, diz Mariana Resende, do queijo catauá

"A gente não vive sem queijo em Minas Gerais", diz Mariana Resende, do queijo catauá

Feito de leite cru de vacas Jersey, untuoso na boca, envolto em uma rendinha branca, o queijo Catauá conquista os amantes do queijo artesanal brasileiro. À frente, com ideais ecológicos e democráticos, Mariana Resende desponta ao lado do pai na divulgação da queijaria, valorizando o produto no...

Luta pelo queijo de leite cru é fortalecida no sul do país

Luta pelo queijo de leite cru é fortalecida no sul do país

Embora o sul do país tenha a tradição histórica em queijo de leite cru, como os queijos serrano e colonial, a região é conhecida por injustiças contra os produtores pelos órgãos fiscalizadores. Mas isso não desanima os ativistas pela produção de queijo de leite cru. A vontade de avançar nas...

A vaca que chora: retorno ao leite natural, pela nossa saúde

A vaca que chora: retorno ao leite natural, pela nossa saúde

Véronique Richez-Lerouge, jornalista e ativista em defesa dos queijos de leite cru, lança o livro La vache qui pleure (A vaca que chora), que denúncia com argumentos científicos os perigos do leite pasteurizado e esterilizado (UHT) e suas conseqüências para a saúde da humanidade. A obra estará...

Leave a comment